quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

Por aí: Jardim da Estrela


24-05-2014
O Jardim da Estrela, designação popular do jardim Guerra Junqueiro, fica em Lisboa na freguesia da Lapa em frente à Basílica da Estrela.
24-05-2014
Em traços gerais, caracteriza-se por ser um jardim naturalista de conceção romântica, inspirado no tipo de parque à inglesa, cercado por um gradeamento, com uma vegetação muito interessante quer pela quantidade quer pela diversidade.

24-05-2014
“Inaugurado em 1842, o jardim da Estrela foi construído por iniciativa do Marquês de Tomar, que contou com generosos donativos particulares, tendo sido plantado pelos jardineiros Bonard e João Francisco. Rodeado de grades, tem cinco entradas e possui um miradouro, para além de um magnífico coreto de ferro recortado sobre uma base de cantaria, que esteve instalado no Passeio Público de lisboa, onde atualmente se situa a Avenida da Liberdade.”

24-05-2014
24-05-2014
“O povoamento da zona da Estrela começou a intensificar-se a partir da construção da basílica, no ano de 1789. Assim, a zona passou a ser procurada pela burguesia que, depois do terramoto de 1755, preferiu ter as suas residências afastadas do centro da cidade.
O Jardim da Estrela era quase único pelas árvores seculares que possuía (e que ainda hoje possui) e também pela localização de que favorece, visto estar situado num dos pontos mais altos da cidade.
Em 1871, o africanista Paiva Raposo ofereceu ao jardim um leão, o famoso Leão da Estrela que se tornou (até morrer) um atrativo desse espaço.
24-05-2014
24-05-2014
24-05-2014
Ao mesmo tempo que com o desenvolvimento da vegetação, se foi transformando num aprazível retiro sombreado, o Jardim da Estrela foi enriquecido com novas obras de arquitetura por ele projetadas ou transferidas de outros locais.
24-05-2014
24-05-2014
24-05-2014
Em 1931, o número de árvores do Jardim da Estrela elevou-se a 838 com 32 espécies diferentes. Nas estufas do jardim, havia já nesta década numerosas variedades de plantas, e neste local era permitida a venda ao público de flores dos jardins municipais. 
Pela importância da floricultura e pelo facto de constituir elemento de atração neste jardim, desde 1852 que eram aí organizadas exposições com exemplares obtidos no estrangeiro de begónias, gloxínias, crisântemos, dálias.
24-05-2014
24-05-2014
24-05-2014
Para além de elementos ornamentais ou funcionais já existentes no século passado, o Jardim da Estrela possui hoje uma abundante vegetação onde se misturam dragoeiros, plátanos, coqueiro-dos-jardins, olaias, araucárias, árvores-de-borracha-australiana, belas-sombras, bananeiras, coqueiros-dos-jardins, entre outras espécies. Do conjunto de elementos que embelezam o jardim temos lagos com patos, o coreto, uma lápide com o nome de “Rosas da Galileia”, os bustos e várias esculturas." (Informação adaptada daqui)
24-05-2014
24-05-2014
24-05-2014
24-05-2014






24-05-2014

terça-feira, 26 de Agosto de 2014

Cravo Túnico

17-07-2014
 
Nome científico: Tagetes sp. (Tagetes patula, Tagetes erecta)
Nomes comuns: Cravo-túnico, Tagetes, Cravo-de-defunto, Cravo-da-Índia, Cravo-francês
Família: Asteraceae (anterior Compositae)
Origem: México
 
25-10-2012
O cravo-túnico é uma planta herbácea anual que pode atingir em média 30 a 40 cm de altura. Possui caules grossos de cor verde, não muito longos e muito ramificados. A sua folhagem é densa e as suas folhas são opostas, oblongas, muito recortadas e muito aromáticas. A sua floração ocorre durante o verão e as suas flores vistosas reunidas em capítulos dobrados podem ser amarelas, vermelhas ou cor de laranja. Para além das diferentes tonalidades apresentam um aroma forte e característico. Toda a planta, folhas e caule, possui pequenas glândulas que contêm óleos essenciais.
 
25-09-2012
25-10-2012
26-08-2014
Cultivo: Deve ser cultivada em pleno sol. Adapta-se a vários tipos de solo desde que tenham uma drenagem razoável, pois não toleram encharcamentos. Devemos evitar molhar as flores e as folhas para impedir o aparecimento de algumas doenças. Sendo uma planta com um longo período de floração, aconselha-se retirar os talos murchos e cortar as flores secas para estimular o seu crescimento e prolongar a sua floração. Multiplica-se por sementes. Estas devem ser semeadas no início da primavera e com uma temperatura de 18 ºC a germinação acontecerá dentro de 10-14 dias. Os cravos-túnicos desenvolvem-se rapidamente e são muito fáceis de cultivar.
 
26-05-2014
28-05-2014
Utilizações: Os cravos-túnicos são muito utilizados nos jardins em canteiros, bordaduras, maciços, vasos e floreiras.
As suas flores são comestíveis (já mencionado aqui), tendo um sabor cítrico e ligeiramente amargo. Podem ser utilizadas na confeção de vários pratos, tornando-se ideais para adicionar a saladas, sanduíches, pratos de frutos do mar e sobremesas quentes.
12-08-2014
São-lhe atribuídas algumas propriedades medicinais e, na horta, as suas raízes têm um efeito inseticida no solo. Assim, a planta proporciona bons resultados em algumas culturas, tais como o tomate e nas roseiras. Isto porque repele nemátodos e mosca-branca, atua como pesticida e repelente natural de pulgões, ácaros e algumas lagartas. Pode, ainda, servir como repelente para as formigas.
Podemos obter esse efeito inseticida através de um preparado em que misturamos 1 kg de folhas e/ou talos desta planta com 10 litros de água. Deixamos a macerar por dois dias ou levamos ao lume até ferver. Depois coamos e pulverizamos as plantas atacadas.
Podemos obter um corante amarelo a partir das suas flores e estas são muito apreciadas pelas borboletas.
24-06-2014
17-07-2014
17-07-2014
 
Curiosidades: O nome do género, Tagetes, é uma homenagem à divindade etrusca Tages, deus da sabedoria que doou ao povo da Etrúria (atual Toscana) o poder de bem cultivar a terra; O nome da espécie patula deriva do caule curto e da folhagem recortada e muito espalhada da planta; O nome da espécie erecta está relacionado com o porte ereto muito ramificado da planta e com o facto de poder crescer até um metro de altura; As duas espécies também se podem distinguir pelo tamanho da flor, sendo que a flor do tagetes patula é menor e a do tagetes erecta pode atingir 10 a 15 centímetros de diâmetro; No México, país de origem desta planta, a cor da morte é o amarelo e os cravos-túnicos são muito utilizados nos altares dedicados aos defuntos. Esta planta é, ainda, considerada a flor-do-morto (cravo-de-defunto) e era utilizada nos rituais de sacrifício ao deus Sol durante o império Asteca.
12-08-2014
22-08-2014
22-08-2014

segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

Fenómeno de Segunda: Acasalamento ruidoso...


08-09-2012

A coelha deve ser levada à gaiola do macho para facilitar o acasalamento, pois, caso contrário, o macho, fora do seu território, prefere examinar o novo local em vez de realizar a cobertura.
Normalmente, sabemos que o objetivo foi atingido quando o coelho tomba/cai para o lado. Melhor só quando este guincha/ grita, quase a dizer-nos: “Está feito!”

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...